16 de set de 2012

Homossexualidade

Homossexualidade
(Causas, Aspectos Sociais e Relacionamentos) 

A homossexualidade não é transtorno médico ou psiquiátrico. Contudo, é um aspecto da condição humana que tem profundos efeitos na vida dos indivíduos, das comunidades e da sociedade em geral. A escolha de pessoas do mesmo sexo para relações sexuais e parceria doméstica íntima é ocorrência relativamente comum no mundo e através dos tempos, representando uma resposta particular a fatores biológicos, psicológicos e sociais inter-relacionados que dão origem à identidade pessoal e ao comportamento interpessoal. Apesar da presença universal de indivíduos homossexuais na história e na sociedade, o tema homossexualidade continua trazendo disputa e divergência de informações na sociedade. Discussões sobre homossexualidade costumam ser influenciadas por ignorância, medo e fuga, colidindo com dogmas morais e religiosos e contrastando com intuitos políticos.


Não obstante, a literatura psiquiátrica e científica com referência à homossexualidade tem crescido em qualidade e quantidade nos últimos 25 anos. A literatura agora dá uma perspectiva madura sobre a homossexualidade, bem como uma orientação firme referente aos modos com os quais os médicos podem ter impacto positivo sobre a vida de seus pacientes gays ou lésbicas. Os médicos que compreendem os pontos de vista atuais sobre homossexualidade estão em posição de fornecer um atendimento clínico excelente a pacientes individuais e uma liderança humana em suas instituições e comunidades. Sem tal conhecimento, os médicos correm o risco de repetir ações preconceituosas e prejudiciais que costumavam caracterizar o tratamento médico de gays e lésbicas no passado.

Neste ponto, é útil analisar algumas definições e conceitos básicos. O termo identidade sexual refere-se à sensação interna de um indivíduo sobre ser masculino ou feminino, menino ou menina, homem ou mulher. De acordo com a psicologia do ego, a identidade sexual se desenvolve cedo na infância e normalmente se solidifica por volta dos 2,5 anos (Yule, 2000). A maioria dos homossexuais tem identidade sexual firmemente estabelecida e compatível com seu sexo anatômico. Por exemplo, um homem homossexual entende a si mesmo como homem, assim como o heterossexual. Quando a identidade sexual não fica firmemente estabelecida, um indivíduo pode apresentar sofrimento psicológico significativo, o que se denomina disforia sexual.


Quem é homossexual? No nível da psicologia individual, a maioria dos adultos se sente e se identifica aos outros como heterossexual ou homossexual, apesar da fluidez bem reconhecida da condição sexual humana. Um número menor de adultos se sente como tendo relativamente pouca preferência por um sexo em relação a outro, e se identifica como bissexual. Os termos gay e lésbica têm sido adotados por grande número de indivíduos auto-identificados como homossexuais e têm sido os modos preferidos de referência à sua condição sexual, bem como à cultura que os indivíduos homossexuais têm desenvolvido como alternativa para a cultura principal (heterossexual).


No nível social, há notavelmente pouca tolerância com as variáveis expressões de condição sexual e tende a haver uma obrigação em identificar os indivíduos como sendo heterossexuais ou homossexuais. Por exemplo, muitas organizações militares, religiosas, de educação e de voluntários costumam demonstrar intenso interesse se um de seus membros é ou não homossexual e determinam modos de lidar com o indivíduo, uma vez aplicado este rótulo a ele. A intenção, geralmente, é expulsar ou marginalizar de algum modo o indivíduo tachado como homossexual.



O interessante é que há importantes instituições sociais, primariamente nas artes, em que a condição sexual parece ser mais fluida, as categorias de condição são definidas de maneira menos clara e as práticas discriminatórias são muito menos importantes. De fato, certos artistas (como Michael Jackson) encontraram vantagens comerciais em cultivar uma imagem de identidade e condição sexuais ambíguas. A expressão mais direta de uma identidade homossexual ainda pode levar a divergência e problemas profissionais em potencial para artistas importantes, como a comediante americana Ellen DeGeneres.

Complicando ainda mais o quadro, há o fato de que identidade, condição, comportamento e atração podem ser expressos de modo que integrem elementos aparentemente contraditórios. Por exemplo, alguns indivíduos que se acham heterossexuais se envolvem em comportamentos homossexuais e vice-versa. Outras dimensões da escolha do parceiro podem receber peso juntamente com o sexo e, por vezes, podem ser de maior importância. Os indivíduos podem preferir um papel sexual mais ou menos ativo, parceiros mais jovens ou mais velhos, um ou outro foco físico de sensação erótica, uma ou outra atividade erótica, parceiros exclusivos ou não, sexualidade integrada com outros elementos de relacionamentos ou sexualidade desprovida de relação pessoal, configurações familiares estendidas e estilos de vida que variam de modos tradicionais a arranjos não-convencionais. Resumindo, a sexualidade vem em mais variações do que os indivíduos e a sociedade comumente reconhecem.